segunda-feira, 28 de janeiro de 2008

Distância

Tanto tempo sem escrever...
Isso faz com que eu me sinta meio distante da Kath, do Criptor e do Xistosa.(Poderia também dizer do All Star, mas eu o vejo todo dia no trabalho e por aqui ele não anda mais)
Amigos que conquistei com minhas palavras e não pelo que tenho ou pelo que sou, mas sim pelo que sinto e penso.

Algumas pessoas podem achar que somos simples amigos virtuais, mas para mim é muito mais que isso. Estas pessoas conhecem pouco o meu rostinho, mas conhecem profundamente o meu coração.

Amo desabafar com vocês amigos
Amo saber que às vezes faço falta
Amo ler o que vocês sentem
Amo o mundo dos Blogs

Desculpem-me se não estar batendo o cartão diariamente, mas é que estou sem computador, só consigo escrever na casa do meu namorado e não é sempre que posso vir aqui.

Sexta-Feira tive o privilégio de ouvir conversas entre Kath(minha ídola), Criptor(seu príncipe) e All Star(meu 2º pai)...
Fiquei como uma boba olhando para eles e admirando... não seus rostinhos ou suas roupas(apesar de ter visto que a blusa rosa da kath estava linda nela), mas sim suas palavras, seus pensamentos... Nossa! nunca senti isso antes!
No ínicio me senti pequenininha, mas logo me veio uma vontade louca de crescer!!!
Só faltou você Xistosa!
Mas não esquecemos de você até tiramos uma foto para te enviar.

Nossa quantos pensamentos acumulados...
Pretendo escrever em breve
mas até lá, estarei curtinho uma saudadezinha de vocês!
Beijinhos...

3 comentários:

Kath disse...

Poxa, comovi...
Nunca se sinta pequenininha, Zu. Você é imensa para nós, sabe o carinho imenso que sentimos por você, todos nós.
E qualquer coisa, poe um saltão que ajuda compôr melhor o figurino.
Te adoooooooooooooooro

Criptor disse...

Vou acabar repetindo o que a Kath disse, Zu. Saiba que o carinho que tens por nós é recíproco e que voce não está sozinha, nunca.
Realmente, só faltou o Xistosa... mas na próxima ele vem e traz alguns bons petiscos de sua terra para acompanhar a cerveja gelada.

xistosa disse...

Não me pude aproximar, pois foi de "caixão à cova", (febre, até dizer basta!) e não queria que apanhassem o vírus.
Deu a volta pela família, eu em Espanha.
Depois eu, já em Portugal, minha mulher, meu filho, a namorada e a minha filha.
O meu genro escapou!
Saiu-me em sorte, duas vezes ...
Por isso não tenho aparecido.
Já vi a foto. Ficou maravilhosa ...
Talvez apareça para vê-la ... ando a fazer terapia de choque, para me habituar ao avião.
Também mandei plantar umas árvores nas rotas aéreas da Varig ou da Tap.
Saudades é quando partimos ...
nos mesmos locais de sempre é um momento, volto já ...

Nesse dia, (SE CHEGAR!), vou apanhar a maior bebedeira de sempre.
A última foi no dia 1 de Março de 1972!
Não foi no dia, mas na noite, véspera de deixar Angola.
Saí pela janela do 1º andar do Restaurante-Dancing, Mexicana, em Luanda, aos tiros e bem bebido.
A Mexicana era um dos locais mais bem frequentados na altura, em Luanda.
Sempre fui louco eu e um amigo fuzileiro, destruímos quase tudo no 1º andar, por causa da conta que nos apresentaram, que era exagerada e por sermos oficiais, aumentou mais.

Qualquer dia apareço aí e prego-vos um susto!!!!!!!